coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ fui ao Alentejo

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

fui ao Alentejo

Sem pressas nem horas, apenas com destino apontado, meti-me à estrada rumo ao Alentejo. A simples ideia de lá ir é acalento suficiente. O Alentejo está além, está mesmo ali, pertinho, mas mesmo assim é preciso fazer viagem para lá chegar. Melhor, para lá estar. Ao Alentejo não se vai, está-se. Mais que um sítio é um ambiente, uma forma de estar, de ver. Olhando em qualquer sentido está aquele formidável e acolhedor horizonte, que tanto nos convida a continuar caminhando, como a contemplá-lo com o deleite com que se goza um prazer raro.
É-me tão confortável a sombra acolhedora de um sobreiro ou de uma oliveira, como o calor envolvente do Sol e daquela luz. Com Sol ou sombra, campo ou cidade, o horizonte longínquo estende-se tão para lá como para cá, na forma como as ruas se vão espraindo calmamente, largas e a direito contornando as curvas do monte. As casas, baixas, lado a lado, orladas de cor e irradiando aquele branco tão quente e tão acolhedoras de gente. E por dentro tão simples sem serem espartanas, acolhedoras para o descanso como para a longa conversa. E há aquela gente, os alentejanos, tão anedotados como amados. Mostram no seu modo de estar uma diferente maneira de ser. Calmos, sim, mas também atentos, complacentes, amigos, acolhedores.
Por fim há o falar alentejano. Conheço poucos países, muito poucos. Conheço até mal Portugal, se calhar nem metade. Mas duvido que haja em qualquer lado alguma forma de falar que me encante tanto como o falar alentejano. É único aquele encadear de palavreado tão próprio, seja nos substantivos como nos tempos dos verbos. Há quem o tente imitar, limitando-se a uma entoação forçada sem sequer beliscar o todo que é aquele falar. Aquilo não se imita, é-se e pronto. Não me importaria nada de o ser, mais do que sou.

tags:
publicado por coisas minhas às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links