coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Teatro

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Quarta-feira, 28 de Março de 2007

Teatro

Por indisponibilidade minha deixei passar o Dia Mundial do Teatro sem o referir aqui. Gosto de teatro, muito até. Mas sou mais um dos muitos que não se levanta da cadeira para ir ver teatro, que o relega para vigésima-quinta escolha nas opções de ocupação de tempo livre. O Teatro tem, acho, a capacidade de gerar uma solenidade com a proximidade que proporciona ao espectador. Não é uma imagem, é real, 3D, tem ruídos reais, respirações,  hesitações. é verdadeiro, se for bom, claro.

Há uma infinidade de peças que vi passar (como aquele mecânico do anuncio do 2CV há 25 anos, lembram-se?), muitas que despertaram um interesse suficiente para pensar quando e como conseguiria ir, e como seria a peça, qual o desenrolar da história. Há neste momento duas em concreto que muito gostava de ver. Uma no teatro Villaret com o José Pedro Gomes e o António Feio chamada Dois Amores. Outra, o Júlio César se Shakespeare com a sua versão dos Idos de Março. Mas mais haverá que sei que gostaria de ver.

Eu nunca vi uma peça de Shakespeare, confesso-o. Nem de Samuel Becket nem sem lá de quem mais. E envergonho-me disso. De Shakespeare o mais próximo que vi foi As Obras Completas de William Shakespeare em 97 Minutos pela formidável e insuperável Companhia Teatral do Chiado e encenada por Juvenal Garcez. Juro por tudo (quase tudo...) o que quiserem três! fenomenais! três! actores fazem em 97 minutos TODAS as peças de Shakespeare, com a notável capacidade de fazer o espectador compreender o enredo de todas!. Uma das vezes foi no Teatro-Estúdio Mário Viegas, a pagar, a outra há meses no cine-teatro municipal, pago pela Câmara, e aqui perto.

Também no agora Teatro-Estúdio Mário Viegas tive a oportunidade de ver o Mário Viegas com a sua candidatura presidencial / peça teatral Europa Não, Portugal Nunca. Adorei e não esquecerei. A certeza de que é irrepetível magoa.

publicado por coisas minhas às 22:58
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links