coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Se a Natália cá estivesse...

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

Se a Natália cá estivesse...

Há anos atrás, salvo erro quando da primeira discussão da lei da interrupção voluntária da gravidez, um deputado de um partido de direita terá defendido que a actividade sexual tem como único fim a procriação.

A poetisa Natália Correia fez a partir dessa observação, do que dela se infere e do que se conhecia do deputado em questão, um poema que ficou para  a história pela sua ironia. Dizia algo como "se a função faz o membro", e se o dito deputado apenas havia tido dois descendentes, então estava castrado o deputado.

Passados estes anos vem a senhora Manuela Ferreia Leite, que é líder de um partido com grande representação parlamentar e social e que, por isso, tem fundamentadas perspectivas de vir a conduzir o país no cargo de primeiro-ministro, vem ela a defender que o fim do casamento é a procriação. Não interessa se há condições para criar, para educar, para formar novos cidadãos. Desde que haja condições para procriar então deve-se procriar.

Ficam de fora deste vaticínio as uniões de facto, pois se são equiparadas a casamento tal não as torna asolutamente iguais. Podem os equiparados a conjuges ter à vontade outros objectivos que não a procriação nas suas actividades conjuntas...

Não há nem haverá outra Natália Correia, mas não haverá por aí alguém que esboce um soneto, uma quadra, ou uma simples laracha para esta senhora?

Menos uma razão para votar no PSD, acho eu.

tags: ,
publicado por coisas minhas às 23:18
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links