coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 12 de Julho de 2007

Oldfield Recuerdos

Há um ano que ando a pensar nisto. Em Julho do ano passado ouvi por acaso um pequeno programa de música erudita na Antena 1 de António Cartaxo, salvo erro. Instantes depois dei por mim escutando espantado uma belíssima melodia que eu conheço há muito tempo. Um neurónio sacudiu o pó e dançou ao som daquela memória ali avivada. Havia apenas um pormenor que não batia certo: aquela melodia, como eu a conhecia, não era tocada naquele ritmo nem com aquele instrumento, mas o que eu escutava era lindo. O locutor entretanto falava de um catalão qualquer, julgo eu, que teria composto aquilo no final do sec.XIX.
Sec.XIX?!? Não! Não não não não! Desarrumei uma série de arquivos mentais de melodias, discos, autores e instrumentos à procura do dono daquilo. Desarrumei na memória capas, cassetes, CD's e tudo o mais que encontrei a estorvar o caminho da lembrança. Era outro qualquer, acreditava eu. Entretanto o locutor ia relatando a história daquela melodia e da vida do seu compositor, no final do sec.XIX...

E então...

Bingo! Mike Oldfield! "Étude", daquele LP duplo que tem um pássaro a rasar um espelho de água. É essa música. Mas se estão a dizer que é do catalão... e que aquilo se chama Recuerdos de Alhambra...
Tempos depois fui à procura do tal LP duplo para ler a ficha técnica daquela música e de todo o disco. Sobre o Étude não havia nenhuma referência a outro autor.
Isto ficou-me na memória. Há umas semanas atrás tive um tempinho e fui à procura. Descobri que, de facto, os Recuerdos de Alhambra são uma composição de 1899 de Francisco Tárrega (1852-1909). Andei na net à procura e descobri aquela música (http://www.epdlp.com/clasica.php?id=499). E é mesmo a que eu conhecia.

Fiquei desiludido com o Mike Oldfield. A música que eu pensava ser dele não o era, e isso não era dito no disco. Talvez no site dele (http://www.mikeoldfield.com/) esteja alguma coisa, mas não procurei. Na Wikipédia, na página dedicada a essa música 'Etude (Mike Oldfield)' não há referêcia ao Francisco Tárrega. Vejam em http://en.wikipedia.org/wiki/%C3%89tude_%28Mike_Oldfield%29.

Desiludido com o Mike Oldfield, fiquei curioso sobre o Francisco Tárrega. Sobre ele descobri, por exemplo, que aquele toque de telemóvel que todos os Nokia têm é também do Francisco Tárrega, da sua obra 'Gran Vals', embora a Nokia reclame ser um trademark... Oiçam em http://www.classicalguitarmidi.com/subivic/Tarrega_Gran_Vals.mid
Fica aqui a pauta para quem a souber ler.

música: Recuerdos de Alhambra
tags:
publicado por coisas minhas às 00:31
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links