coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Felicidade

A minha tia Felicidade teria feito anos há dias, demasiados, talvez, para que ainda cá pudesse estar. Para além das recordações que inesperadamente emergem lá do fundo da memória, a ela sempre a recordei, em especial, no seu aniversário.
Morreu inevitavelmente, tal era o seu estado e idade, e por isso não verti lágrimas nesses dias. Era um dado adquirido já assimilado que se havia sedimentado há muito.
Contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que lhe visitei a campa, tal como não visitei outras mais vezes. Não via qualquer ligação entre o cubículo de mármore jacente e a pessoa que conhecera. A ligação entre a matéria e o espírito extinguiu-se na sua morte, pelo que aquilo era um objecto sem significado.
Anos mais tarde, nos entre-tempos de um outro funeral, fui ver a campa num misto de gastar tempo e curiosidade estética sobre o seu estado. Aí, na inestimável companhia que tinha e tenho, chorei. Não de saudade, desgosto ou qualquer outra coisa parecida mas, acho, de alegria. A minha tia Felicidade sempre desejou e tudo fez pela felicidade dos sobrinhos. Ainda que de diferentes formas creio que a atingimos todos. Chorei, por isso pela alegria que ela teria se nos visse, e porque a alegria de que gozamos também lhe é devida pela educação que nos deu. Lamento apenas que não tenha vivido mais para ver tanto.
Por ser parte da minha felicidade, quero hoje em especial recordar mais ainda, a minha tia Felicidade.

publicado por coisas minhas às 09:00
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De João a 3 de Junho de 2007 às 23:48
Subscrevo. Lembrei também que faria anos em meados de Maio. Mas já me esqueci do dia.
Obrigado pela lembrança e recordações.

Comentar post

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links