coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Terça-feira, 5 de Outubro de 2010

Viva a República!

Só se pode ser republicano. O Homem é um animal gregário. A sua tendência natural é a de viver livremente em comunidade. Sendo livre não pode ser súbdito, e viver em comunidade implica inevitavelmente a partilha dos bens comuns, e a salvaguarda da propriedade privada de cada um. A administração dos bens comuns deve ser feita no interesse de todos pelo que todos devem poder mostrar os seus pontos de vista, e escolher entre estes o mais adequado para todos. Para tal são indispensáveis a Liberdade para agir e a Democracia como forma equitativa de escolha. E em Liberdade não pode haver monarquia. É inadmissível obrigar que o chefe de estado seja imperativamente o descendente do anterior, sem outra justificação que não essa. A descendência não dá a mínima garantia de maior ou menor qualidade na administração da coisa pública, a res publica. A monarquia impede também a substituição do monarca quando este demonstra não ter qualidades para governar, ou governa para insatisfação dos governados. Mais, impede até a avaliação regular pelos administrados da acção do administrador.

E em Liberdade e Democracia é imperativo o laicismo. Se somos iguais em direitos e obrigações, súbditos apenas de nós mesmos, não podemos admitir que sejamos depois súbditos de algo, por mais distante, etéreo ou eterno que seja. Tão pouco é admissível condicionar a opinião de todos às directrizes de uma única entidade.

Por tudo isto, pela Liberdade em Democracia e com Laicismo, viva a República!

tags:
publicado por coisas minhas às 11:47
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links