coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quarta-feira, 5 de Maio de 2010

A festa das bestas

Gosto de futebol enquanto espectáculo desportivo. Quando passa disso, passo a detestar.

O que aconteceu com as claques que foram acompanhar o Benfica ao Porto já aconteceu antes com outras claques noutros locais, e vai voltar a acontecer. Vão em autênticas manadas, guiadas por polícias, quais cowboys urbanos. Insultam porque foram insultados.

Há sempre alguém que começa apenas porque tem de começar. Há no meio da grande manada umas bestas que dias ou semanas antes já vão pensando no que vão dizer e fazer. Outros nem dizem nada, bastam alguns gestos primários. Há ainda os subtis, quiçá mais evoluídos ou mais tímidos, que insultam pelo que usam. Um cachecol acenado no ar a chamar expressamente "filho da puta" a quem é do outro clube, seja ele qual for, não é coisa de gente, é de besta que não sabe distinguir e diferenciar alguns no meio de muitos, e por isso também não deve ser diferenciado dentro da manada onde está e deve ser tratado como besta que é. Como nunca ninguém percebe onde isto começa e como, a escalada de insultos e agressões sobe e só pára à lei do bastão. Porrada contra porrada.

Mas há mais. Há outras bestas mais reles, que se escondem e apedrejam os transportes de quem aí vem. Desta vez foi o autocarro do Benfica que foi apedrejado na autoestrada, mas amanhã é o do Porto ou do Sporting ou de qualquer outro. Estas bestas reles nem sequer dão a cara, escondendo-se nos arbustos ou nos placards da autoestrada, e estão cobardemente confortáveis porque sabem que nenhuma das potenciais vítimas pode exacta e objectivamente identificar onde aconteceu, muito menos quem foi.

E há bestas e bestas. Algumas podem ser já chamadas de animais, ainda que com condescendência. Não são só os que vão ao estádio ver o jogo. Também os que assistem se insultam, ainda que mais prosaicamente. Odeia-se quem é do outro clube apenas por o ser, mas não é por isso que se vai dar um enxerto de porrada no cunhado com quem se está a beber as imperiais, por muito que apeteça.

E, por fim, há os senhores da selva, cada um com o seu território, que regularmente vão lançado para o ar comentários primários no conteúdo e na forma sobre os eternos adversários, o que apenas alimenta ainda mais o comportamento das bestas lá na base da cadeia hierárquica da selva. São tão primários e imaturos que não se falam nem se aproximam, nem sequer quando as equipas jogam uma contra a outra no mesmo estádio.

É triste. E toda esta bestiaria é depois divulgada em notícias sem fim, todos os dias, em todos os meios de comunicação. Alguns têm espaços a que chamam "Desportivo" quando devia ser "Diário do Bestiário" porque não falam de outra coisa que não seja a fofoca do futebol.

Talvez um dia isto mude. Talvez um dia as claque possam competir sobre quem tem os cântigos ou faixas mais cómicas. Talvez um dia possam competir para ver quem consegue ser a melhor a receber o visitante com mais cortesia e respeito. Talvez um dia toda a gente possa entrar para o mesmo estádio ao mesmo tempo, seja de que clube for. Talvez um dia saibam aplaudir e elogiar quando a outra equipa marcar um golo contra a sua, e talvez ganhar. Talvez um dia os chefes dos clubes tenham a capacidade cívica de se receberem e cumprimentarem cordialmente. Nesse dia as bestas serão gente, e o futebol será desporto.

publicado por coisas minhas às 17:32
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links