coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

O melhor de dois mundos

Sou enorme fã dos Queen. Descobri-os em 84 com o album The Works, que ainda hoje oiço. Desde então consegui ter todos os albuns. Confesso que não gosto da fase final dos anos 70, passagem para 80. De resto é tudo genial. Tenho até aquilo a que se pode chamar o album zero, uma gravação da sua exibição num programa da BBC chamada Queen At The Beep que, no essencial, é o que viriam a ser os seus dois primeiros albuns, Queen e Queen II.

Sou também enorme fã dos Marretas. Não sei qual gosto mais. Sõ todos tão diferentes,tão espec'ificos e, sobretudo, tão uteis na sua singularidade para pela caricatura se compreender o comportamento humano.

Este post vem atrasado umas semanas. Recebi na altura o link para o Youtube da versão dos Marretas de Bohemian Rhapsody, e não fui ver. Confesso que houve uma resistência de fã fundamentalista que não quer ver adulterada a versão original. Mas quantas versões não revelam outras qualidades do original!

O vídeo foi publicado por alturas do aniversário da morte de Fredy Mercury. Lembro-me onde estava em Novembro de 91 e de como recebi a notícia. Mais que morrer o vocalista, no instante em que ouvi a notícia morreu a minha esperança de um dia poder ver os Queen ao vivo.

Hoje, finalmente, fui ver o vídeo. E adorei! Falar dos Marretas desperta na memória a imagem e a voz e o comportamento de algumas personagens, mas neste vídeo aparecem tantas! O locutor de televisão, o Proveta e o Cientista, os monstros, o bombista, o Rolf pianista clássico, o pianista rock e a sua banda fabulosa... Tantos!

Fabulosa sim é esta versão e este vídeo, que aqui partilho por prazer, por respeito e em louvor de um trabalho muito bem feito, pelos Queen, por Jim Henson e por todos os que perpetuam o seu génio. É mesmo o melhor de dois mundos:

 

tags:
publicado por coisas minhas às 01:02
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links