coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Domingo, 15 de Novembro de 2009

Chorar não, sorrir!!

Continuando na onda musical, ouvi hoje uma canção já com uns anitos, é de 1985, que deste então muito gosto. Chama-se 'Cry' e é dum duo chamado Godley & Creme. Não conheço mais nenhuma  música deles, ou pelo menos não lhes associo mais nada.

Gosto desta música não só pela sua simplicidade melódica como também pelo seu teledisco (agora chamam videoclip...) em que uma série de pessoas surgem a cantar a canção e as caras se vão alterando de umas para as outras como se evoluissem e transformassem. O conceito é hoje conhecido como morphing e foi excepcionalmente bem usado do teledisco do Black Or White do Michael Jackson, em que as caras e os corpos mudavam de barancos para ruivos, homens para mulheres, carecas para cabeludos, a uma velocidade fenomenal.

Este teledisco do ´Cry´' é mais antigo, e tecnologicamente mais arcaico, as passagens são fluídas mas não são propriamente evoluções ou alterações dos corpos, são mudanças de imagem. Ainda assim, continuo a gostar do teledisco e da música. Não me faz chorar, mas sorrir pelo prazer que me dá ouvi-la e recordá-la. Ei-la:

 

música: Cry
tags:
publicado por coisas minhas às 21:50
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links