coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Terça-feira, 20 de Março de 2007

A RTP2 está de volta!

A RTP2 está de volta. Não que alguma vez tivesse desaparecido, mas sabe bem constatar que o bom senso prevaleceu. Na verdade, ainda que tenha mudado o nome para ‘a dois’, na essência e felizmente pouco mudou.
Mas este regresso é mais que uma alteração de nome, como fora aquela. É o regresso a uma tutela da qual não devia ter saído. O Estado (que quer se queira quer não somos nós todos) tem a responsabilidade de providenciar pela elevação cultural e intelectual dos seus membros, devendo, por isso, providenciar informação, entretenimento e aculturação de superior qualidade. Por causa disso, e desde que disso tenho consciência, fui sempre contra a atribuição deste canal à Igreja, mas sobre isto farei outro post.
A ideia de atribuir o ‘segundo canal’ à sociedade civil mostrou-se inconsequente porque, por um lado, ‘sociedade civil’ não é mais que um bonito termo aglutinador de uma realidade demasiado multifacetada para ser agregada, coordenada e reflectida num único projecto. Por outro lado, e infelizmente, a sociedade civil não tem no seu todo a capacidade de gerar e gerir um canal de televisão como este, seja qual for o seu nome, com a responsabiildade que lhe é inerente.
Por fim, este regresso serve para encerrar um projecto de um governo que, se para alguma coisa serviu foi ser mau exemplo. Podemos nem sempre saber o que queremos mas pelo menos ficámos todos, ou quase todos, a saber o que não queremos.

publicado por coisas minhas às 20:00
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links