coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Sexta-feira, 19 de Junho de 2009

Load aspas aspas

Há um anúncio a passar que usa habilmente uma frase que para muitas pessoas não faz sentido. Mas para muitas outras como eu, traz de súbito velhas e boas memórias. A frase é dita meio em Inglês e meio em Português: Load Aspas Aspas Enter. O ‘Load’ é lido em Inglês porque é daquelas palavras que desde sempre assim foram lidas, assim vieram do Inglês e assim ficaram, como Stop ou Play ou Enter. As ‘Aspas Aspas’ na verdade era apenas “”. Na sua forma completa a frase era escrita assim: LOAD “”.
E o que é isto? É preciso regressar a 1983/84 e ao fenomenal computador Spectrum, de 48k. E o que são 48k? Algo como o dobro do que este texto ocupa e que era o limite de memória do computador. E com essa minúscula imensidão se faziam coisas fabulosas. Sem som estereo, apenas com 16 cores, com cem vezes menos resolução do que tem um monitor actual, se faziam programas de contabilidade doméstica, de calculos de astronomia, de desenho (básico...) e sobretudo de jogos, imensos jogos de tudo e mais alguma coisa, que se compravam em cassetes tão mal pirateadas que até as capas eram fotocópias a preto e branco mal feitas e mal dobradas.
O LOAD “” era a instrução que tinhamos de escrever para carregar um programa, e era escrita na base do ecrã, supostamente branco mas na verdade era um creme-acinzentado e desmaiado. Hoje clica-se num ícone e meio segundo depois estamos a jogar. Na altura ligavam-se uns cabos de audio ao gravador e punha-se a cassette a andar. Depois era só esperar uns minutos (sim, minutos!) até o jogo acabar de carregar. Até lá era deixar passar aqueles apitos da gravação, lentamente da cassete para a memória.
A frase LOAD ASPAS ASPAS traz a esta geração muito mais depressa muitas mais memórias do que o Spectrum alguma vez seria capaz. É uma boa memória.
como estou?: nostálgico?
publicado por coisas minhas às 22:48
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links