coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

O valor dos princípios

Há quatro anos um jornal da Dinamarca publicou uns cartoons em que era retratado Maomé com um turbante em forma de bomba. Foi uma bomba que gerou protestos que ainda hoje fazem eco. A NATO nomeou agora o ex-primeiro-ministro da Dinamarca, sr. Rasmussen, para a sua liderança.

A Turquia, país membro da NATO, formalmente secular mas maioritariamente muçulmano, foi um dos que protestou agora pela nomeação do dinamarquês Rasmussen porque ele não pediu desculpas pelos cartoons publicados em 2005 pela imprensa do seu país. Tanto quanto sei, e se estiver em erro corrija-me quem souber, na Dinamarca a imprensa não pertence ao Estado nem é por ele controlada, pelo que o Estado não é responsável pelo que a imprensa faz no exercício da liberdade que julgo ter.

Como o sr. Rasmussen não pediu desculpas a Turquia resistia à sua nomeação. Mas a nomeação foi em frente porque em troca a Turquia conseguiu entrar na Agência Europeia de Armamento e alguns cargos importantes na estrutura da NATO. Nestas trocas e baldrocas a imprensa turca garante que vai ser proíbido um canal de televisão em língua curda emitido na Dinamarca e que o sr. Rasmussen irá brevemente dizer algo positivo sobre a crise das caricaturas.

Ficámos a saber que a ofensa ao profeta, que parecia tão trágica, vale um bilhete para a Agência Europeia de Armamento e uma mão-cheia de tachos na NATO. Gostava agora de saber a fundamentação para a proibição do canal em língua curda na Dinamarca, e estou à espera para ver qual o próximo comentário do dinamarquês Rasmussen sobre as caricaturas.

publicado por coisas minhas às 17:03
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links