coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

Pingando veneno

Tenho-me contido a comentar as afirmações de altos quadros da Igreja sobre o casamento entre pessoas de diferentes religiões. Já não é só o cardeal patriarca de Lisboa, agora também o cardeal Saraiva Martins, que é um alto quadro do Vaticano, vem afirmar mais ou menos a mesma coisa.

Honestamente não me apetece nada dissertar sobre afirmações que, em minha modesta opinião, são não só disparatadas como desnecessariamente incómodas, e politicamente incorrectas. E são graves, considerando a posição ocupada por quem as proferiu.

Retive-me assim, destilando o veneno que desde logo comecei a segregar quando ouvi os  pela primeira vez.

Porém, hoje para aligeirar a coisa, continuando a falar a sério mas mais construtivamente, subcrevo o comentário de Ricardo Araújo Pereira na Visão de hoje em que diz, e cito,  "Nunca ninguém me há-de ver casado com um muçulmano. Até porque conheço bem o perigo que corremos quando nos relacionamos com pessoas que interpretam literalmente os textos sagrados, como fazem muitos muçulmanos e o cardeal Saraiva Martins."

Pois é. O cardeal Saraiva Martins é um dos que interpretam os textos sagrados literalmente. Segundo o Público, de dia 18, ele afirmou que "na Bíblia [está] escrito que quando Deus «criou o ser humano, criou o homem e a mulher». «É o texto literal da Bíblia, portanto esse é o princípio sempre professado pela igreja».
Só para não me chatear mais, para não me alongar no que se poderia comparar, em tamanho, a uma tese de doutoramento, eu que não sei teologia como ele que segue o texto literal da Bíblia, gostava de saber em qual texto sagrado está literalmente consagrado o direito a umas pessoas não eleitas de comandarem e condicionarem a forma de organização de vida de outros. E onde está literalmente escrito, e sagradamente definido ad eternum, que essas pessoas que comandam e comentam e condicionam a vida de muitos só podem ser homens. E, já agora, uma última curiosidade: em que texto está literalmente consagrada a excepção para estes indivíduos de se escusarem e obrigarem muitos a se escusar a cumprir a máxima "crescei e multiplicái-vos". E há mais a perguntar, mas não me apetece mesmo nada chatear-me com isto. Pelo menos para já.

publicado por coisas minhas às 22:50
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links