coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Sábado, 11 de Outubro de 2008

"Era o que faltava!"

Ontem foi votada no Parlamento uma proposta de lei que permitiria o casamento de pessoas entre o mesmo sexo. O diploma não teve a maioria dos votos e, consequentemente não foi aprovado. O partido que tem a maioria determinou que haveira disciplina de voto, isto é, a direcção do grupo parlamentar - se não mesmo a direcção do partido... - determinou que o partido votaria contra e, por isso, todos os deputados teriam que votar contra.

Houve duas excepções, tanto quanto sei. Uma de um deputado que é, ou foi, da JS e que foi, ou é, defensor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. A outra excepção foi Manuel Alegre. Tanto quanto sei também, os deputados que votaram à revelia do que a direcção do grupo parlamentar decidiu pediram autorização para o fazer.

Ouvi na rádio (Antena 1? TSF?) uma entrevista que fizeram a Manuel Alegre logo após a votação. Perguntaram-lhe se tinha pedido para votar contra o que a  a direcção do grupo parlamentar decidira. Resposta fulminante: Era o que faltava!

Manuel Alegre deve ser dos poucos deputados, e tenho esperança que não seja o único, que vota conforme entende devido, e não como lhe mandam entender. É um Deputado, é uma pessoa que diz o que pensa e vota como acha correcto.

A maior parte dos outros são marionetes. Estão lá a fazer número, para vomitar um sussurrado "muito bem" quando algém lá da fila da frente distribui eloquencia oca para os demais. E estão para votar com lhes mandam, não necessariamente como pensam. Estão mandados para não mostrar que pensam. E será que pensam?...

tags:
publicado por coisas minhas às 21:41
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links