coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

Nacionalismo bacoco

Hoje, dia 19 de Junho de 2008, vai ser dito que Portugal joga com a Alemanha. Um pouco por preciosismo, mas sobretudo por teimosia, entendo dever dizer que a selecção de futebol portuguesa joga amanhã com a selecção de futebol alemã. Dá mais trabalho, é certo, mas é o correcto.

Hoje, dia 19 de Junho de 2008, vai ser todo o dia a mesma notícia, em todas as rádios, nas TVs, nos jornais. E fora dos noticiários vão andar os pivots dos programas a dizer disparatada e saloiamente os mesmos disparates, de apoiar a selecção, com piadinhas, cachecóis (indispensáveis em Junho…), bandeirinhas, para não falar das constantes intervenções em directo da Suíça, ou da Áustria, para mostrar o momento exacto em que nada acontece.

Tomara que isto acabe. Não desejo que a selecção perca. Não posso deixar de desejar que chegue o mais longe possível, mesmo a ser campeã. No pior dos cenários há que aturar esta palhaçada até ao fim do mês.

Já não posso com tanta palhaçada de suposto "apoio nacional". Esta fantochada das bandeirinhas nas varandas, nos carros, nos chinelos, nas t-shirts, nos biquinis, nos anúncios de cervejas, viagens, hipermercados e sem lá do quê mais, mas depois acaba depressa. É um nacionalismo bacoco porque a maioria do pessoal que alinha neste folclore não apoia realmente Portugal, apoia os jogadores de futebol da selecção de Portugal. Porque quando o campeonato europeu acabar eles vão arrumar as bandeirinhas, e os chinelos, e as t-shirts, e os biquinis, e a bandeira vai deixar de servir para vender qualquer coisa. Quero apostar que em Agosto, quando começarem os Jogos Olímpicos serão poucos os que andarão de bandeirinha a apoiar os atletas portugueses que forem a Pequim. Eventualmente talvez se alegrem por algum conseguir ganhar alguma coisa.

Por fim, se a selecção de futebol portuguesa perder o jogo de amanhã, e consequentemente ficar eliminada – o que não desejo, repito-o – tenho muita curiosidade para saber como os media irão fazer as suas manchetes. Talvez eu venha a ter algo com que comparar com o que escrevi a propósito do 4º lugar da Naide Gomes

publicado por coisas minhas às 00:26
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links