coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Quinta-feira, 27 de Março de 2014

Viva la vida loca aos 80!

Se for avante a ideia hoje propagada nas notícias, de que o valor das pensões poderá variar a cada ano em função de vários factores, isso até poderá ser benéfico.

Sem qualquer perspectiva de como poderá ser o ano seguinte, senão mesmo o mês ou a semana, os reformados vão começar a viver cada dia como se fosse o último. Se calhar serão mais felizes, fazendo já aquilo que nunca ousaram fazer. 'bora lá estourar já o dinheiro todo porque no ano que vem vou não vou poder comprar medicamentos. Por isso, mais vale morrer já a divertir-me, a fazer páraquedismo, rappel, mergulho ou qualquer coisa assim, do que definhar numa cama ou sofá em terceira mão dalgum lar de terceira e quarta idade, provavelmente ilegal.

Talvez, assim, comecem a morrer mais cedo, haja menos pensões a pagar, menos cuidados paliativos, menos custos e, talvez assim, se alcance a sustentabilidade do sistema.

publicado por coisas minhas às 23:08
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Março de 2014

Não tenho dinheiro para um Audi

O Governo escolheu a marca Audi para fornecedora dos prémios a sortear por quem peça factura nas suas trocas comerciais. O conceito base é interessante. Compra-se uma impressora por 100€, pede-se factura e ganha-se um Audi.

É aliciante para quem pode sustentar um Audi. Eu não posso. Pessoalmente não gosto dos Audi, mas só por uma questão estética. São sem dúvida bons carros e por isso, ou também por isso, são caros, muito caros. Um Audi novo quanto pagará de Imposto Único de Cirulação? E com o motor que tem, quanto consome? E por quando ficará o seguro? (só contra terceiros, que não dá para mais).

Sou levado a concordar com o bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas (OTOC) que, sem discurdar do mérito da ideia base da iniciativa - incentivar o pedido de facturas - sugeriu como alternativa oferecer o direito do premiado a deduzir no seu IRS o valor do prémio ou não pagar alguns impostos e ser devolvido o IRS descontado pela entidade patronal.

Mas, enfim, foi esta a escolha do Governo. Comprar carros caros alemães para oferecer. E, já agora, em quanto é que isto ajuda a controlar o défice?...

publicado por coisas minhas às 17:00
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito (2)

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links