coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

Portuguesíssimo!!

Continuam a surpreender-me os títulos dos jornais futebolísticos
(ainda que se digam "desportivos"). Não os compro, nem os leio, mas ao
longe vou acompanhando a sua primeira página porque é com interesse
que vejo as rúbricas das "primeiras páginas dos jornais" nos
noticiários televisivos ou até no Sapo.
Algures esta semana um desses jornais tinha como título "O que é
nacional é bom". Quando ouvi o pivou do noticiário ler este título
olhei para o televisor e, pelo que percebi, o tal jornal referia-se a
alguns jogadores portugueses. Às tantas o pivot disse o nome dos
jogadores e ouve um que ficou a fazer-me comichão algures entre a
repartição das incredulidades e o guichet dos disparates. Procurei na
net a tal primeira página para ver se tinha percebido bem o nome, e
concluí que sim. Um dos "nacionais" chama-se Ruben Micael.
Ele há toda a espécie de nomes, mas a este dificilmente me imaginaria
a rotular de português. Já o Variações reclamava com a Maria Albertina
- nome bem português - de ter chamado Vanessa à sua filha. Este podia
ser bem pior. Podia ser Recesvindo ou Asdrúbal, por exemplo, mas Ruben
Micael?!?... Se for para provar que somos um país de bimbos, então é
do mais português que há. Melhor, é portuguesíssimo!
publicado por coisas minhas às 16:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

O valor dos princípios

Há quatro anos um jornal da Dinamarca publicou uns cartoons em que era retratado Maomé com um turbante em forma de bomba. Foi uma bomba que gerou protestos que ainda hoje fazem eco. A NATO nomeou agora o ex-primeiro-ministro da Dinamarca, sr. Rasmussen, para a sua liderança.

A Turquia, país membro da NATO, formalmente secular mas maioritariamente muçulmano, foi um dos que protestou agora pela nomeação do dinamarquês Rasmussen porque ele não pediu desculpas pelos cartoons publicados em 2005 pela imprensa do seu país. Tanto quanto sei, e se estiver em erro corrija-me quem souber, na Dinamarca a imprensa não pertence ao Estado nem é por ele controlada, pelo que o Estado não é responsável pelo que a imprensa faz no exercício da liberdade que julgo ter.

Como o sr. Rasmussen não pediu desculpas a Turquia resistia à sua nomeação. Mas a nomeação foi em frente porque em troca a Turquia conseguiu entrar na Agência Europeia de Armamento e alguns cargos importantes na estrutura da NATO. Nestas trocas e baldrocas a imprensa turca garante que vai ser proíbido um canal de televisão em língua curda emitido na Dinamarca e que o sr. Rasmussen irá brevemente dizer algo positivo sobre a crise das caricaturas.

Ficámos a saber que a ofensa ao profeta, que parecia tão trágica, vale um bilhete para a Agência Europeia de Armamento e uma mão-cheia de tachos na NATO. Gostava agora de saber a fundamentação para a proibição do canal em língua curda na Dinamarca, e estou à espera para ver qual o próximo comentário do dinamarquês Rasmussen sobre as caricaturas.

publicado por coisas minhas às 17:03
link do post | comentar | favorito

A névoa deixou nódoa

O Sr. Domingos Névoa foi condenado por um tribunal por tentativa de corrupção, mais concretamente, pelo crime de corrupção activa em acto lícito pela tentativa de suborno. Sem prejuízo do eventual recurso que o senhor poderá fazer desta decisão que o condenou ao pagamento cinco mil euros, nem do recurso que o Ministério Público também irá fazer por achar a aquela pena demasiado benévola, e do que ainda vier a ser provado, para já ficou feita prova que ele tentou corromper.

Após ter sido condenado (pelo crime de corrupção activa em acto lícito pela tentativa de suborno), à saída do tribunal o senhor reafirmou "não ter cometido qualquer erro e disse «não ter que estar nem satisfeito nem insatisfeito» com a decisão do colectivo de juízes." Disse ainda "Estive sempre aliviado. Não cometi erro nenhum, por isso hei-de continuar a fazer o que fiz até hoje".

O caso já não é recente, arrasta-se há muitos meses mas teve na semana passada estranhos desenvolvimentos. No princípio da semana o tal senhor (condenado pelo crime de corrupção activa em acto lícito pela tentativa de suborno, lembremos) foi nomeado administrador de uma empresa intermunicipal no Minho, a Braval. O Bloco de Esquerda protestou, os outros partidos foram atrás, e até para o final da semana até o PS (partido a que pertence o presidente da maior accionista da Braval, a Câmara Municipal de Braga) teve de dizer alguma coisa. Ao fim de todas estas vozes, e se calhar só por causa disto, no fim da semana o tal senhor achou por bem renunciar ao cargo. Demitiu-se procurando dissipar a névoa para que a nódoa do seu cadastro não se afectasse "o regular funcionamento da empresa e o relacionamento entre accionistas", disse ele salvaguardando que isso não representava o "reconhecimento de qualquer impedimento de natureza legal ou moral para a assunção do cargo", que não tem "nenhum peso na consciência" e "que não há ilegalidades".

Este aparente final feliz teve uns infelizes entretantos. O tal senhor foi condenado (pelo crime de corrupção activa em acto lícito pela tentativa de suborno, sabiam?) já há uns meses mas mesmo assim foi nomeado agora para administrador da empresa intermunicipal por "uma questão de «rotatividade»" segundo o presidente da mesma. Assim, a nomeação deste senhor (condenado por corrupção...) para administrador de uma empresa intermunicipal da semana passada era previsível. Provavelmente quando foi condenado já seria previsível que ele seria administrador.

Não sei como é agora mas há uns anos era necessário um certificado de registo criminal limpo para se entrar na função pública. Talvez o cargo para o qual o senhor foi nomeado não precise de ter cadastro limpo, mas seria um bom sinal pelo menos de isenção de acções juridicamente puníveis para quem vai administrar uma empresa intermunicipal, mas lá para Braga isso não importa, e tanto não importa que ele foi nomeado por unanimidade. Para a empresa intermunicipal, não importa que os seus administradores tenham efectuado no passado acções moral e juridicamente reprováveis. Parece ser-lhes indiferente. Para a empresa intermunicipal, não importa que o senhor que foi condenado pelo crime de corrupção activa em acto lícito pela tentativa de suborno afirme que "hei-de continuar a fazer o que fiz até hoje". Para a empresa intermunicipal parece não importar que um seu administrador tente corromper alguém. Será que se importa se ele conseguir corromper? Quer queiram quer não, Névoa foi embora, mas a nódoa ficou.

publicado por coisas minhas às 16:32
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links