coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

Globalização

Há tempos circulava pelo e-mail uma anedota que pretendia explicar sucintamente o que é a globalização. Dizia que uma princeza inglesa, namorando com um egípcio, fugindo dos papparazi, teve um acidente com um carro alemão de motor holandês que era conduzido por um francês enfrascado em whisky escocês.

Era anedota, ainda que alguns elementos, senão todos, sejam verdadeiros.

Hoje tive um exemplo real. Recebi pelo correio algo que é originário da Arábia Saudita, mas que é emitido a partir de Houston nos Estados Unidos, e chegou-me com um selo dos correios de Malmo, na Suécia!

Grande volta!

publicado por coisas minhas às 22:50
link do post | comentar | favorito

Pingando veneno

Tenho-me contido a comentar as afirmações de altos quadros da Igreja sobre o casamento entre pessoas de diferentes religiões. Já não é só o cardeal patriarca de Lisboa, agora também o cardeal Saraiva Martins, que é um alto quadro do Vaticano, vem afirmar mais ou menos a mesma coisa.

Honestamente não me apetece nada dissertar sobre afirmações que, em minha modesta opinião, são não só disparatadas como desnecessariamente incómodas, e politicamente incorrectas. E são graves, considerando a posição ocupada por quem as proferiu.

Retive-me assim, destilando o veneno que desde logo comecei a segregar quando ouvi os  pela primeira vez.

Porém, hoje para aligeirar a coisa, continuando a falar a sério mas mais construtivamente, subcrevo o comentário de Ricardo Araújo Pereira na Visão de hoje em que diz, e cito,  "Nunca ninguém me há-de ver casado com um muçulmano. Até porque conheço bem o perigo que corremos quando nos relacionamos com pessoas que interpretam literalmente os textos sagrados, como fazem muitos muçulmanos e o cardeal Saraiva Martins."

Pois é. O cardeal Saraiva Martins é um dos que interpretam os textos sagrados literalmente. Segundo o Público, de dia 18, ele afirmou que "na Bíblia [está] escrito que quando Deus «criou o ser humano, criou o homem e a mulher». «É o texto literal da Bíblia, portanto esse é o princípio sempre professado pela igreja».
Só para não me chatear mais, para não me alongar no que se poderia comparar, em tamanho, a uma tese de doutoramento, eu que não sei teologia como ele que segue o texto literal da Bíblia, gostava de saber em qual texto sagrado está literalmente consagrado o direito a umas pessoas não eleitas de comandarem e condicionarem a forma de organização de vida de outros. E onde está literalmente escrito, e sagradamente definido ad eternum, que essas pessoas que comandam e comentam e condicionam a vida de muitos só podem ser homens. E, já agora, uma última curiosidade: em que texto está literalmente consagrada a excepção para estes indivíduos de se escusarem e obrigarem muitos a se escusar a cumprir a máxima "crescei e multiplicái-vos". E há mais a perguntar, mas não me apetece mesmo nada chatear-me com isto. Pelo menos para já.

publicado por coisas minhas às 22:50
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Fevereiro de 2009

O cão do Obama II

E o Obama já tem cão ou não? Mudou de ideias ou a notícia já não interessa?

música: Dogs of war, Pink Floyd
publicado por coisas minhas às 22:27
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Darwin, 200 anos

Cito da Wikipédia (http://en.wikiquote.org/wiki/Charles_Darwin):
Ignorance more frequently begets confidence than does knowledge: it is those who know little, not those who know much, who so positively assert that this or that problem will never be solved by science. Charles Darwin

Tradução livre:
a ignorância gera mais frequentemente confiança do que gera conhecimento: são os que conhecem pouco, que não conhecem muito, que tão positivamente afirmam que este ou aquele problema nunca será resolvido pela ciência.
 

publicado por coisas minhas às 09:59
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

Res estranha

Várias notícias dão conta que Oliveira e Costa, ex-presidente do BPN e entretanto indiciado por burla, branqueamento de capitais e fraude fiscal, entre outros crimes, fechou uma empresa sua já depois de estar em prisão preventiva. Tenha ou não essa possibilidade burocrática ou esse direito cívico suspenso ou interdito por estar detido preventivamente, o que acho mais estranho é o nome da empresa, sobretudo no contexto desta estranha história.

A empresa chamava-se Resnostra Investimentos Lda. e tinha sede na garagem da casa de Oliveira e Costa. Na qualidade de sócio-gerente da Resnostra, Oliveira e Costa abriu conta em nome da empresa no balcão do BPN Amoreiras, enquanto era gerente José Manuel Gama Pereira que se encontra agora em parte incerta e acusado de burla após ter alegadamente desaparecido com pelo menos seis milhões de euros pertencentes a clientes do BPN.

Já é estranho um acusado de burla, branqueamento de capitais e fraude fiscal abrir conta numa agência gerida por alguém que, alegadamente, desapareceu com seis milhões de euros que não são seus. Mas o nome da empresa, Resnostra, é o mais estranho de tudo. "Res" quer dizer "coisa" em Latim. República, por exemplo, vem de 'coisa pública', se bem me lembro.

Resnostra não sei de onde veio e sem mais informação traduzo como Coisa (res) nossa (nostra). E daí sai o flash: "Coisa nossa"? Não é o mesmo que Cosanostra, o outro nome para a Máfia? Veja-se na Wikipedia como o termos 'Máfia' foi substituído por Cosanostra.

Será inocente o nome da empresa? Será mesmo pura coincidência o significado daquele nome equiparar-se ao da Máfia? Por princípio tanto Oliveira e Costa como José Manuel Gama Pereira ou qualquer outro cidadão estão inocentes até estar concluído o seu julgamento, mas parece pouco inocente o nome da empresa. E se se vierem a confirmar as suspeitas que sobre ele caiem, então talvez se possa vir a aplicar fundamentadamente, como figura de estilo, o epíteto de que Oliveira e Costa não será, afinal, nem boa res nem boa rês.

publicado por coisas minhas às 14:36
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links