coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quarta-feira, 20 de Junho de 2007

Oh dear!

Vi uma reportagem na televisão sobre um colóquio que pretende discutir os problemas de Lisboa. Foi agendado antes da a Câmara 'cair' pelo que, e se calhar só por isso, teve notoriedade televisiva. Uma senhora de apelido alemão deu a cara pela iniciativa. Entre outras coisas disse que qualquer cidadão pode participar e falar do que quiser. Será que pode? Será que quer? Será que sabe?

A reporter reforçou a indicação da senhora de apelido alemão dizendo que havia ali três subscrivers corners, ou qualquer coisa assim, onde as pessoas podiam ir redigir ou reflectir sobre o que quisessem apresentar. E mostrou as três portas, não o interior.

Subscrivers corners...

Se fossem três WC's não serviria para o mesmo? Pensar um pouco, reflectir na solidão de um metro quadrado público mas temporariamente nosso? Talvez sim, talvez não, mas aquilo dos subscrivers e dos corners é que ficou a bater qual bola de ping-pong entre o timpano e um lóbulo cerebral qualquer.

Lembrei-me então que num outro dia havia visto outra reportagem sobre um centro comercial que tem um serviço de fashion advisers... São pessoas que se contratam para advise us sobre a fashion que devemos usar. Não se confunda com a outra função que é a de serem aconselhadores de moda. NÃO! Estes são fashion advisers não são aconselhadores de moda. Note-se a diferença.

O que parece ser cada vez mais moda é dizer, escrever e, o que é grave, pensar as coisas em Inglês antes ou até sem sequer as pensar em Português. A linguagem da Bolsa já há muito que nos injectou todos os anglicismos que conseguiu criar. Compreende-se a sua utilidade em contextos delimitados e específicos. O que me irrita é o sucesso ser alcançado muito, senão apenas, por causa disso. E se em vez de "Mr.Parking" o serviço se chamasse "O Manuel arruma!"?

Para burrice pública já basta os jogadores de futebol (football...) diserem que o mister (não o Mr.JStuarrt ou coisa assim) é que sabe.

Oh dear!

música: Mark Knopfler...
publicado por coisas minhas às 09:28
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

hortographia

O meu gosto pela escrita vem de longe. Já no ensino primário gostava de escrever e fazia-o bem e com poucos erros. Julgava ter mantido essa qualidade, mas percebi agora que não. A ilusão desfez-se como um jarro antigo que se quebra em mil cacos.

Vejam este artigo do Francisco José Viegas no JN.

E desculpem-me de escrever tão mal.

publicado por coisas minhas às 22:24
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

Loucuras minhas

Há quem me conheça que, carinhosa e ocasionalmente, me chame 'louco'. Não no sentido patológico do termo, mas como epíteto significando talvez possuidor de um humor com limites longínquos e, porventura, indefinidos.

Espero eu que seja assim que usam o termo. Caso contrário tenho mesmo uma patologia tão grave que eu próprio não me apercebo e creio ser outra coisa... Assumamos que é naquele sentido.

Entre as inúmeras coisas que fizeram e/ou contribuiram para esta forma de ser estão algumas coisas que li. Certas cenas do Astérix ou do Gaston LaGaffe, do Calvin&Hobbes, do Dilbert. Há também coisas que vi, sketches vários. Cenas dos Marretas, Black Adder ou alguns filmes. E muitas outras coisas de que agora não me lembro.

Entre as séries de televisão há uma constelação de estrelas muito particular que me orientou o percurso: os Monty Python. Conheci-os quando a RTP 2 passou há uns 20 anos atrás os seus programas à hora dos telejornais e da telenovela. Já na altura eram antigos porque datavam do princípio dos anos 70. Se as roupas e a qualidade de imagem denunciam essa antiguidade, o sentido de humor tão especial e tão único dos cinco elementos dos Monty Python perputou o seu talento inimitável.

Dentro desta constelação é difícil escolher uma estrela entre tantos milhares sketches. O João envio-me hoje um link de um deles (obrigado!). Cliquem aqui e deliciem-se com estas lições de vôo. Enloqueçam também um pouco, porque faz bem!

Atenção: está em inglês e sem legendas...

música: Cantaloop, Herbie Hancock
publicado por coisas minhas às 23:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links