coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

O Ipod do contentamento

Recebi uma curiosa carta da Crediplus. Não que tenha – felizmente – alguma vez necessitado do seu crédito mas porque tenho um qualquer cartão que é do mesmo grupo de empresas.

A carta é, toda ela e naturalmente, um incentivo à subscrição de crédito com várias sugestões para gastar o dinheiro. A determinado passo lê-se “Verá que os seus filhos vão muito mais animados para a escola se lhes der novos equipamentos escolares, um Ipod ou a consola de que falam há tanto tempo!”.

Naquela frase há uma única virgula e aí encalhei. Ela separa as orações tornando os “novos equipamentos escolares” um assunto diferente do Ipod e da consola, ou o excerto “um Ipod ou a consola de que falam há tanto tempo!” estão como exemplos do que serão os “novos equipamentos escolares”?

Se for o primeiro caso a coisa passa. São apenas três exemplos.

Se for o segundo caso, a coisa é triste, não tanto por a Crediplus equiparar um Ipod a equipamento escolar, mas porque isso é uma constatação da realidade já que para lá do muito equipamento escolar formalmente necessário há toda uma panóplia de coisas – roupas, utensílios, práticas ou atitudes – que se começam a tornar obrigatórias por simples pressão social. O Ipod, tal como os ténis de marca ou o modelo X de telemóvel, torna-se também equipamento escolar. E só com isso tudo se contentam os espíritos dos tempos que correm.

publicado por coisas minhas às 00:05
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links