coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

O Assurancetourix de Los Angeles

Foi arrepiante. No meio daquela lamechice houve qualquer coisa que soou vagamente familiar. Sintonizei a Atenção, que me recomendou a abertura do arquivo de memória musical. Encontrei lá uma parte do que ouvia: o True dos Spandau Ballet, não a música, mas a letra.

Blárgh!!!! Que coisa mais estranha! Que raio é isto?

Os camelos têm músculos nas narinas que lhes permitem fechá-las para evitar que entre areia quando apanham uma tempestade de areia. Nós, humanos, não temos músculos nas orelhas que nos permitam deixar de ouvir. Podemos fazer ouvidos de mercador, mas não se evita que entrem sons. Também não os podemos vomitar, que é o que me apetecia fazer com aqueles, caso pudesse.

Foi mau.

No meio daquilo vim a descobrir que era o Paul Anka a cantar o True dos Spandau Ballet. Como se não fosse suficientemente mau aquele exemplo isolado, soube que há mais. Animado – talvez - pela mesma mórbida curiosidade que nos leva a espreitar os acidentes de automóvel, descobri que o Paul Anka lançou este ano um disco chamado Classic Songs, My Way. Pelo título podia-se esperar que fossem aquelas baladas que se encaixam na imagem de cantor de casino: fato escuro e laço, eventualmente folhos brancos no peito, lamechice arrastada, uns trejeitos de mãos e a banda a ajustar o passo ao apetite do cantor.

Pelo que percebi são versões de músicas várias, pop e rock incluído, mas cantadas naquele ritmo e estilo. Mais parecido com isto só me lembra o arroz doce que o Jacinto de A Cidade e as Serras (do Eça) pediu que lhe servissem no seu apartamento de Paris, e veio um monte de arroz açucarado todo adornado das coisas mais extravagantes.

Eu até gosto de algumas versões diferentes de músicas. Por vezes o Idade da Inocência (nos serões da TSF) passa versões muito originais de músicas. Mas isto já é demais, pelo menos para mim.

Estou agora convencido que foi ele que ouvi a cantar o Jump dos Van Hallen neste estilo. Volta Assurancetourix!

publicado por coisas minhas às 07:04
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links