coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Domingo, 25 de Fevereiro de 2007

Planeta futebol - 1

Sou um extraterreste, só pode!
Já aqui abordei o sentimento, agora vou começar a desenvolvê-lo. Às vezes sinto como se viesse de outro planeta.
Há uns vinte e tal anos atrás li um delicioso conto de ficção científica de Adrian Cole chamado ‘Fora de Jogo’ em que um suposto observador extraterrestre relatava o que via num determinado local do planeta Terra. Estando à busca de vida inteligente, procurou uma concentração de habitantes e encontrou-os. Estavam reunidos num espaço construído em redor de um rectângulo verde, daí deduzindo que esse seria o objecto de devoção em cuja honra iria ser feito o sacrifício de um animal. Este, de tanto aterrorizado que estava com a multidão à volta e os 22 sacerdotes, onze de cada seita que a agrediam sucessivamente com a extremidade dos seus membros ante a impassividade de 3 sumosacerdotes vestidos de negro, a criatura havia-se encolhido tanto que tomou uma forma esférica, e o seu sacrifício motivava a presença da multidão.
É extraordinária a capacidade do escritor de se distanciar do futebol tal como o vivemos e traduzi-lo para o ponto de vista absolutamente alheio.
Gostava de me conseguir alhear assim. Tento, mas ainda não consigo. Eu desligo o aparelho ou mudo de canal de televisão ou frequência de rádio aos primeiros instantes de conversa de futebol, mas por mais que me esforce não consigo deixar de saber que jogos vão ocorrer, o que aconteceu, e tudo o mais que nada me interessa.
E depois alguém pergunta “então, pá, viste o jogo ontem? Foi bom não foi? Viste aquele remate de Fulado?”… e há duas respostas possíveis:
Se respondo “não, não vi” com a linguagem corporal de quem diz “não tive oportunidade de ver” então já sei que me repetem todo o jogo, com todos os detalhes mas visto de um único ponto de vista.
Se, por outro lado, respondo “não, não vi” mas com a linguagem corporal de quem diz “não vi nem quero saber”, fica o outro interlocutor estarrecido com tal coisa, como se dissesse “não gosto de viver à luz do dia” ou algo ainda mais estranho que não consigo sequer verbalizar. Sinto-me mesmo como se vivesse noutro planeta.

publicado por coisas minhas às 00:00
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links