coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Terça-feira, 13 de Novembro de 2007

O fútil em directo

Razão tinha o Santana Lopes quando há umas semanas numa entrevista na SIC se passou dos carretos por ter sido interrompido apenas para que se pudesse mostrar a chegada do Mourinho ao aeroporto. Não era propriamente o regresso de um náufrago, de um exilado ou expatriado, mas ainda assim alguém – ou vários alguéns – achou mais importante o imediatismo das imagens da chegada do que sustentar o acompanhamento do raciocínio que Santana Lopes estava a expor, fosse qual fosse a discussão.

Hoje, no noticiário da SIC, o alinhamento previsível das notícias foi visivelmente alterado para dar em directo a partida dos jogadores da selecção, de um hotel para outro. Ninguém morreu, ninguém nasceu, ninguém bateu, ninguém discursou, ninguém fez nada, ninguém disse nada. Apenas se via um autocarro com os porões de carga à vista, sacos lá dentro, pessoas dentro de um autocarro, e um jornalista a enriquecer de futilidades as já por si fúteis imagens.

Continuo a achar que vivemos num planeta-futebol. Seja o que for de futebol tem uma importância desmedida face a tudo o mais.

E o triste é que o problema não é da SIC. A atitude da SIC é um reflexo do contexto. A RTP faz o mesmo – a TVI não sei porque me esforço por não ver… - a TSF, Antena 1, RR têm pseudo-programas de desporto em que sistematicamente falam exclusivamente de futebol, os jornais dão múltiplas páginas ao futebol.

O resto? Os outros desportos? Vêm depois, em rodapé, nas páginas ímpares, no final dos blocos noticiários, ou como simples fait-divers.

publicado por coisas minhas às 22:51
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links