coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

Os Police tocam hoje

Os Police tocam hoje cá em Portugal. Por razões circunstanciais não os poderei ver ao vivo. Tenho pena porque talvez não os volte a ver, mas paciência. Duvido ter a possibilidade – o luxo mesmo - de poder arrancar um dia daqui até Barcelona, Frankfurt ou Sidney só para os ver e voltar depois.
Ao certo não sei o que ganharia se os visse. Conheço de cor quase todas as músicas. Tenho-as em versões de estúdio e ao vivo. É verdade que uma gravação de um espectáculo ao vivo fica sempre muito aquém do real. Estar ali, ouvir e sentir todos os decibéis a atravessar o corpo e, sobretudo, a memória é algo que ainda nenhum suporte de arquivo consegue transmitir. Quando muito guardaria o argumento “eu estive lá”, que não deixa de pouco mais ser que um ‘recuerdo’.
Ainda assim gostaria de os ver. esta coisa de “eu quero ir!!!!” tem sempre razões diferentes para cada um. Por mim, há um detalhe especial que está para lá do reavivar da memória, e pelo luxo – acreditem que é – de assisitir à suprema ginástica daqueles três músicos a tocarem uma melodia e cantarem outra canção diferente, mudando depois para a melodia certa enquanto a letra evolui novamente para outra. Esse detalhe é de algo que sempre tive na memória desde que os meus tios me ensinaram a gostar dos Police (e Supertramp, e Rolling Stones, e Dexys Midnight Runnesrs muitos mais): esse detalhe é ver o Sting aos pulos.
Poderão julgar que é uma grande pancada, mas é assim mesmo. As memórias são retidas e asseguradas por estranhos fios de estranha seda destilada das mais fundas recordações. Do que me recordo na altura era, precisamente, de ver o Sting a tocar o baixo e a saltar de pés juntos. A partir dessa memória visual tudo o mais se desenrola. A minha pancada não é assim tão disparatada, apesar de ser grande, porque o álbum Police Live! tem precisamente na capa essa uma imagem assim.

 

Agora procurei imagens dos Police actuais a tocar e o Sting continua com aqueles pulos. O resto são as músicas que já conheço, mas que bem gostava de ver ao vivo. Fica para a próxima.

música: De doo doo doo
tags:
publicado por coisas minhas às 07:25
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links