coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quarta-feira, 19 de Setembro de 2007

A agenda de Graça Moura

É estranho o artigo de hoje de Vasco Graça Moura no DN. Tem o título L'UOMO È MOBILE e parece estar a falar de Luis Filipe Menezes. Embora este nome não seja referido, é isso que infiro do texto porque no final fala da aceitação ou não do debate com Marques Mendes. Por exclusão de partes parece-me que o visado seja aquele. Não tenho qualquer preferência por um ou outro candidato, nem sequer sou do PSD. Nem é isso que me interessa aqui. Graça Moura enuncia várias datas a propósito de vários de assuntos para sustentar a sua argumentação da mobilidade de opinião do visado. Excluindo a referência ao tal debate, Graça Moura enuncia catorze assuntos diferentes indicando para todos pelo menos duas datas em que o visado terá opinado contraditoriamente. Para dois assuntos refere até três datas. O detalhe vai ao ponto de indicar o dia exacto sendo que só num único caso indica, abstractamente, apenas o mês: "Em Abril de 2005...". Assim, doze assuntos com duas datas faz vinte e quatro datas, mais as seis datas dos dois assuntos com três dá um total de trinta datas. Não tenho Graça Moura por pessoa que diga coisas em vão, infundadas, pelo que para afirmar o que escreveu deve ter dados concretos, ou muito boa memória. Se não é de memória, deve ter ido apontando na agenda todas as citações de Luis Filipe Menezes para agora poder dizer quando ele disse isto ou aquilo. E deve ser uma agenda grande porque não acredito que ande a apontar só o que aquele diz e quando. Que mais apontará ele? O que vai almoçando? Os números do Euromilhões? As matrículas dos carros que passam? A data mais antiga referida é Maio de 2004, há três anos! Isto não é coisa de escritor ou ensaista, é trabalho de empregado de partido político entretido com bases de dados nas quais se procura sustento argumentativo para as reivindicações políticas. Não tenho de memória nenhum excerto de qualquer peça musical para contrapôr à última frase do artigo. Aí Graça Moura ironiza, a propósito do visado, com uma frase de uma obra de Verdi, que "L'uomo è mobile / qual piùma al vento...". Não sei se Graça Moura "è mobile" ou não, mas com este artigo fiquei com a opinião que é picuinhas. Talvez eu também seja, ao contar as datas e tudo isso, mas não sou pago para ser comentador. O artigo está aqui.

tags:
publicado por coisas minhas às 11:22
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links