coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

Elegância chinelo

Acabou o verão e, com ele, uma moda masculina interessante. O traje é mais ou menos este: t-shirt de marca e/ou da moda, calção acima do joelho, carteira & telemóvel & maço de tabaco & chaves do carro numa única mão, e chinelinho de enfiar no dedo, porque está calor. São uns cromos autêncicos. Acho interessante pelo que revela, embora seja fateloso, acho eu.

A roupa é um código, assumido ou não, consciente ou inconsciente, pelo qual comunicamos. Calcinha clara com blazer azul de botões dourados quer dizer uma coisa. T-shirt de alças, suada, com medalhão sobre os pêlos do peito quer dizer outra coisa. Mas ambas dizem algo. Quem usa esta nova 'farda' quer dizer "estou de férias", pelo menos tecnicamente. Quer dizer "estou a gozar os meus dias de férias, esteja eu onde estiver".

É interessante ver os desfiles destas modas nos sítios que quotidianamente frequentamos. Vão assim para a rua, para a mesma rua que costumam ir durante todo o ano, quando não estão 'de férias', ainda que não saiam do bairro onde moram e comprem aos mesmos dias e às mesmas horas nas mesmas lojas que quando estão a trabalhar. Não são férias no sentido de exercício e usofruto de tempo de lazer mas sim no sentido jurídico de ausência legal e obrigatória ao trabalho.

Ontem estiveram de farda no emprego, fato e gravata ou macacão, não interessa. Hoje, que estão de férias vestem a farda de férias: calção e chinelo no dedo (e ainda carteira & telemóvel & maço de tabaco & chaves do carro numa única mão...). Não importa que o chinelo de enfiar no dedo dê, natural e inevitavelmente, mau andar. Não importa que entre muito mais lixo para o pé. Está-se de férias, e pronto. Quando voltam ao emprego e lhes perguntamos como foram as férias, dizem que estiveram uns dias ali e acolá, e que deixaram uns quantos para ficar por cá. De férias, e de chinelo.

publicado por coisas minhas às 14:45
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Kruzes Kanhoto a 13 de Outubro de 2007 às 19:55
É. Somos uns pés de chinelo!

Comentar post

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links