coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2007

Pela vida?!? Qual?

Escrevo nos dias seguintes ao referendo sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez (IVG).
Um dos slogans usados pelos apoiantes do ‘não’ foi o de que são “pela vida”.
Se são ‘pela vida’ então não parecem pois apenas surgem com este argumento a propósito da discussão da alteração legislativa sobre a IVG. Aliás não aparecem por mais motivo nenhum.
É pena que condensem e limitem as suas forças em defesa da vida apenas quando se discute a IVG. Gostava de ver a intransigência dessa sua pseudodefesa da vida aplicada também, por exemplo, à defesa da obrigatoriedade de rastreamento da Tuberculose, do Cancro da Mama, do HIV, ou de registo obrigatório como dador de medula óssea.
Gostava de os ver defender assim com tanto afinco alterações legislativas que reduzam, quando aplicadas, o número de acidentes domésticos que matam crianças. Ou que, pelo menos, defendam as crianças dos acidentes rodoviários. Segundo a APSI “Os traumatismos, ferimentos e lesões resultantes de acidentes rodoviários são a maior causa de morte e incapacidade temporária e definitiva nas crianças e jovens em quase todos os países do mundo desenvolvido. Infelizmente, Portugal não é excepção. Muito pelo contrário somos, a este respeito, o pior país da União Europeia com taxas de mortalidade equivalentes ao dobro da média europeia. Por cada morte, estima-se ainda que outras 5 crianças ficam incapacitadas permanentemente. São ainda milhares os feridos graves e ligeiros que são todos os anos atendidos nas urgências dos hospitais.” (v. http://www.apsi.org.pt/index.php)
Há tanta mais vida pela qual lutar. Todos os anos mais de mil pessoas morrem em acidentes de viação em Portugal. São vidas que se perdem. Muitos mais ficam feridos, debilitados, diminuídos nas suas capacidades: de trabalhar, de viver, de ser. Por esses não vejo estas vozes agora moralistas insurgirem-se por tanta vida perdida, por tanta vida estragada nas famílias que os perderam ou que agora os têm ao seu cuidado, mpossibilitados de ser como eram.
Só na construção civil em Portugal morre em média um trabalhador por dia.
E, para já, só discuto esta defesa da vida. Para outras calendas ficará a discussão da defesa da qualidade de vida.

publicado por coisas minhas às 08:00
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links