coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Sábado, 25 de Agosto de 2007

Paga a TV!

No dia 25/07/2007 li uma notícia do Jornal de Notícias segundo a qual “Semáforos e fontes pagam taxa de TV”
Lia-se que a Associação de Municípios pedia ao Governo a revisão da lei da taxa de televisão. O serviço público de televisão, que entendo dever existir é pago por uma taxa incluída no serviço de fornecimento de electricidade. Nesse artigo lia-se que “Sistemas de rega e de iluminação pública, semáforos, furos de captação de água, painéis de informação e até as casas de banho públicas estão obrigados ao pagamento da taxa de televisão, pelo simples facto de consumirem energia”.
Ou seja, tudo o que usar electricidade paga taxa de televisão, mesmo que não veja aquela televisão.
A bem da Democracia que deve garantir igualdade a todos, mesmo que alguns não gostem, bem como a apenas alguns mesmo que a maioria não goste, acho bem que o Estado suporte um serviço público. A fundamentação do raciocício é simples: o Estado, embora não pareça, somos nós e existe para gerir e regular o que é de todos, a coisa pública, a Res Publica em Latim.
Chateia-me ser obrigado a pagar o que para mim é fútil, vazio, inútil. Mas talvez não o seja para outros, e esse é o preço da Democracia, e por isso tolero o pagamento.
O que me chateia mais é o volume do que se paga para um retorno frequentemente tão baixo. A relação preço/qualidade é, acho eu, má. Se calhar por haver tanto a pagar, tanto desperdício, tantas estrelas do jet set, tanto espalhafato, tantas reportagens em directo do que ainda não aconteceu ou já acabou, se calhar foi para poder pagar tudo isso que o Governo, pela mão do legislador, determinou que tanto eu como os semáforos, bebedouros, painéis de informação, paragens de autocarro, casas-de-banho públicas e outras coisas assim paguem aquela taxa. Aritmeticamente, distribuindo por todos custa menos. O problema é que quem paga a iluminação pública são os munícipes, que por sua vez são na maioria consumidores de televisão.

Por mim, enquanto pagante, não sei se me assemelho mais a um bebedouro ou a um semáforo...

tags:
publicado por coisas minhas às 10:30
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links