coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2007

Dia 14 de Fevereiro...

Hoje é dia 14 de Fevereiro, e é quarta-feira, e é (dizem...) dia dos namorados.

Para já, não me vou alongar muito sobre a validade da afirmação “é”, assim tão taxativa, quanto à data e dia da semana. Somos, por defeito, etnocentricos e sendo para nós quarta-feira, geralmente damos por adquirido que também o é para todo o mundo. Só para dar um exemplo, hoje também é dia 26 do mês Muharram do ano 1428 no calendário islâmico; 26 do mês Sheva do ano 5767 no calendário hebreu; 25 do mês Bahman do ano 1385 no calendário persa; 25 do mês Magha do ano 1928 no calendário civil indiano (v. www.fourmilab.ch/documents/calendar/). Aquilo a que chamamos “hoje é dia ...” não é mais que uma referência só nossa, e não somos assim tantos a guiarmo-nos pela mesma referência. O que “é” para nós, não o “é” necessariamente para os outros também.

Mas vamos ao dia dos namorados. Pode parecer discurso de velho mas não me recordo de há uns 20 ou mais anos atrás se celebrar este dia, pelo menos nesta forma. O dia dos namoros era o de Santo António, a 13 de Junho, padroeiro dos casamentos e, consequentemente, do seu presumível antecedente: o namoro.

Esta ‘febre’ do dia dos namorados parece-me recente. Parece mais uma aculturação que estamos, voluntariamente ou não, a sofrer induzida pela massacrante quantidade de filmes e séries e notícias que os americanos exportam à tonelada. Não os critico por o fazerem porque é assim que ganham dinheiro, mas critico a passividade com que damos certas coisas por adquiridas. Há já, pelo menos, uma geração inteira que não imagina o que seja cinema sem pipocas, por exemplo. Embora concorde que não há mal nenhum em comer enquanto se vê um filme, entendo como deplorável o incómodo causado os demais espectadores com o ruído da trituração. A liberdade de cada um acaba nos limites dos direitos dos outros.

Esta aculturação manifesta-se de muitas outras maneiras. Hoje celebramos já o dia das bruxas, coisa tão tipicamente nossa como o é dançar o samba no carnaval de Ovar. Acredito que a maioria dos jovens associe facilmente o 4 de Julho aos EUA, mas duvido que conheçam a justificação do 1º de Maio, a extensão da problemática conducente ao 25 de Abril, ou o porquê da associação entre Camões e o 10 de Junho. Pode parecer coisa insignificante não conhecer o porquê destas datas, mas pode ser essa ignorância que não os faça incomodar se algum dia lhes propuserem acabar com a sua celebração, e aí, democraticamente, consegue-se acabar com alguns feriados...

O dia dos namorados também dá jeito à economia. As lojas enchem-se de corações e fitas côr-de-rosa. Lançam-se perfumes, relógios, telemóveis, caixas e caixinhas, e toda uma imensidão de coisas a propósito do tema, sempre côr-de-rosa, ou vermelho-fogo. As pessoas cedem, naturalmente, a estes incentivos e compram relógios e velas e caixinhas e postais, e trocam mensagens e vão jantar e vão et cetera e tal.

Já se começou também a celebrar o dia dos avós, mas não sei quando é. Para já ainda só é dia dos avós, mas alguém se lembrará de encontrar uma data para o dia do avô e para o dia da avó. Há mais santos que dias no ano (só à conta do último Papa quantos mais santos se fizeram?), pelo que facilmente se encontrará um que sirva de pretexto para essas datas, como são para todas as outras. Depois virá o dia do tio e o dia da tia. Na Assembleia da República propôs-se, em 2006, a criação do dia do cão. Por justiça não nos esqueçamos então do gato, do canário, do hamster, do cágado, dos peixinhos e da iguana.

publicado por coisas minhas às 10:44
link do post | comentar | favorito

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links