coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quinta-feira, 2 de Agosto de 2007

rei morto rei posto

Num dos últimos episódios da multifacetada e diária novela que é a cobertura jornalística do futebol em Portugal viveu-se um autênitico ciclo de ‘rei morto, rei posto’.
A saída de Simão Sabrosa para Espanha foi notícia pela manhã, como grande surpresa. Manchetes de jornais, abertura de noticiários, etc, trauma total. Na despedida ouve comoção, abraços chorosos, etc.
O desgosto passou rápido. Dias depois a emoção era já outra, mais positiva, com o dito já em Espanha e com a nova camisola.
Entretanto, num novo episódio, foi grande notícia a chegada de um novo jogador para o Benfica, vindo dos EUA, salvo erro de nome Adu ou coisa parecida. O próprio estava estupefacto com a recepção. Entre os muitos que o esperavam (estavam todos de férias, não faltaram ao trabalho nem a outros afazeres, naturalmente...) estava um adolescente com um cartão que dizia algo como isto: “Simão, já não és preciso, temos já o Adu.”
Rei morto, rei posto.

publicado por coisas minhas às 10:30
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Euzinha a 7 de Agosto de 2007 às 11:05
Especialmente no futebol, é sempre assim. Como se costuma dizer "Só faz falta quem cá está."

Comentar post

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links