coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ Ronaldo é apresentado hoj...

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ arquivos

[ Julho 2018

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

Não sou parvo

pelo menos não de todo ou permanentemente. Já fiz parvoíces e algumas consegui perceber. Para outras a parvoíce natural obstou e ainda se haverá de manifestar de novo, inevitavelmente.
Gostando e cuidando de não ser parvo de todo, ou em permanência, irritam-me os anúncios na rádio da Media Markt, desde o início. A voz apressada e esganiçada e quase afogada do personagem desbobina uma séria de referências e preços e adjectivos e, no fim em jeito de conclusão, diz “eu é que não sou parvo!”. Este é o motto da própria empresa ao ponto de estar em grande destaque no seu site.
Se eu for mesmo parvo, então o que acho do anúncio não interessa, e o texto acaba aqui. Como acho que não sou, e se o que me resta de parvoíce deixa perceber alguma coisa, o raciocínio que a mensagem quer transmitir é “eu [o personagem do anúncio] vou à Media Markt, e não sou parvo. Quem não vai à Media Markt é parvo.”
O Media Markt tem duas lojas na zona de Lisboa, e agora uma no Norte, nenhuma das quais próximas dos meus percursos habituais, pelo que nada me leva a desviar o caminho só para visitar uma das lojas. Conheço quem vá de propósito visitar centros comerciais e coisas semelhantes mal abrem (espantei um colega há anos quando ousei confessar que até então nunca tinha ido ao Cascais Shoping: “Nunca lá foste?? Nem só para ver?!?..”). De anteontem para ontem, por exemplo, houve quem esperasse desde as 19h00 da véspera à porta da nova loja da Ikea no Norte, só para ser dos primeiros...
Eu já fui a um Media Markt mas apenas por desespero. Precisava de determinado artigo que, no fim de muitas buscas, encontrei lá. Se já lá fui será que então não sou mesmo parvo? Ou tem prazo de validade, isto é, de tempos a tempos é preciso lá ir receber a vacina?
Só por causa do motto do anúncio continuo a não querer ir ao Media Markt. E também não gosto do nome, parece que se esqueceram de um “e” para escrever Market. Quem é que é parvo, afinal?

publicado por coisas minhas às 22:54
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 9 de Novembro de 2007 às 00:37
markt alemao cromo
De Euzinha a 7 de Agosto de 2007 às 11:12
Quando a publicidade me irrita ou acho ofensiva, demoro mais tempo a dar atenção ao produto publicitado. De qq das formas há muito que evito qualquer tipo de publicidade. Já basta quando entro num hipermercado e sou bombardeada com cartazes chamativos e promoções aliciantes!

Comentar post

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links