coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Sábado, 28 de Março de 2015

Eusébio no Panteão não. Pelo menos por agora.

Eusébio morreu há pouco mais de um ano. O seu desaparecimento físico gerou uma histeria de massas, compreensível pelo que fez em vida e pelo que representou, e continua a representar para muita gente. Pouco após a sua morte, muito pouco tempo depois, logo se começou a falar da sua ida para o panteão. Salvo erro meu, ainda não tinha ido a enterrar e já se falava disso. Quase se podia dizer que ainda o corpo estava quente e já o queriam enviar para o panteão.

O funeral de Eusébio foi outra histeria. As cenas que se viram do seu funeral, os magotes de gente no cemitério, pareciam mais vindas de outros países que nós, do alto da nossa sobranceria, apelidamos de subdesenvolvidos.

Eusébio foi, e continua a ser, um símbolo nacional. Mas também era um homem, uma pessoa com vida pessoal, com família e amigos, não os milhares que um dia tiraram uma foto com ele, ou se sentaram com ele algures, mas os amigos mesmo que teve. Era uma pessoa normal a quem a família e os amigos não puderam fazer o funeral. O cortejo fúnebre foi de exibição às massas, as mesmas que invadiram o cemitério ao ponto de quase não se conseguir circular pelo cemitério. Revejam as imagens, coloquem-se no lugar da família e pensem se quereriam que o despedir de alguém que vos é próximo decorresse assim.

Acho que a família de Eusébio não pôde despedir-se dele como seria normal. Ainda o tinham consigo, morto mas por enterrar, quando começaram a falar em colocá-lo no panteão. Eusébio foi tirado à família. Mal passou um ano da sua morte e vão-lhes tirar ainda mais o pouco ou nada que dele tiveram.

Ressalvadas as devidas comparações, este caso lembra-me o de Catarina Eufémia que nos anos 50 foi morta pela GNR num protesto de trabalhadores no Alentejo. Uma fantástica reportagem da TSF ("Catarina é o meu nome") fala a certa altura que a sua campa foi tornada propriedade do Estado para que não fosse idolatrada pela oposição ao regime. Após o 25 de Abril a campa tornou-se propriedade do PCP para a preservar. Esteja isto certo ou errado, o certo é que a campa nunca foi da família. Como Eusébio, que morreu e deixou de ser da família.

publicado por coisas minhas às 22:25
link do post | comentar | favorito
|

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links