coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2008

A recessão chegou aos postais de natal

Não enviei SMS de Natal, a ninguém mesmo. Acho que, por coincidência, hoje nem sequer daqueles 'a chegar', ou 'ligo logo' ou qualquer outra coisa. Mas sms de Boas Festas, e desejos de feliz natal mais ou menos pomposo, piroso ou até brejeiro, disso não enviei nada.

Não é por não desejar um bom natal aos muitos que estimo. Apenas creio que a maioria das pessoas alinha nesta febre dos sms de natal porque alguém lhes enviou e então decide responder. E já que mandou a Fulano então pesa a consciência que mande também a Cicrano, e depois à prima, ao tio, aos colegas, ao vizinhos, cunhados, enteados, avós, pais, irmãos, namorados e namoradas, simples conhecidos e por aí fora. Apesar do o meu telemóvel ter a faculdade de enviar o mesmo sms para vários números, não tenho a paciência para escrever a mensagem banal, fútil quase por frete e que em nada muda a estima que tenho pelos destinatários, mande ou não o sms.

Este ano nem postais em papel enviei. Por um lado por pura falta de tempo, outra pelo custo. Não tive tempo de os fazer (gosto de os fazer personalizados). Se os tivesse feito não teria tido tempo de os imprimir, cortar, envelopar, endereçar, comprar os selos e colocar no correio. Por fim, há muito que os selos estão caros. Um não custa muito, mas quando vêm os amigos, e os primos e tios e avós, e conhecidos, e aquele pessoal todo, começam a ser muitos selos...

Este ano enviei apenas por e-mail. Foi mais simples. Não tive de os imprimir, nem cortar, nem envelopar, nem endereçar, nem selar. Fiz no computador e daí sairam pela internet fora a uma míriade de destinatários. Quem não tem e-mail, lamento a modernice, mas não houve oportunidade.

tags: ,
publicado por coisas minhas às 22:48
link do post | comentar | favorito
|

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links