coisas que me passam pela cabeça, e outras que vão ficando

[ textos recentes

[ O homem que não existe

[ Sábios conselhos

[ Coisas úteis (?) que se a...

[ We Go ou Nós Vamos?

[ Eusébio no Panteão não. P...

[ Viva la vida loca aos 80!

[ Não tenho dinheiro para u...

[ A senhora engorda e volta...

[ Al Capone era Tuga

[ Carnaval palerma

[ arquivos

[ Março 2016

[ Agosto 2015

[ Junho 2015

[ Março 2015

[ Março 2014

[ Março 2013

[ Fevereiro 2013

[ Julho 2012

[ Maio 2012

[ Outubro 2011

[ Agosto 2011

[ Junho 2011

[ Abril 2011

[ Janeiro 2011

[ Novembro 2010

[ Outubro 2010

[ Setembro 2010

[ Agosto 2010

[ Junho 2010

[ Maio 2010

[ Março 2010

[ Janeiro 2010

[ Dezembro 2009

[ Novembro 2009

[ Outubro 2009

[ Julho 2009

[ Junho 2009

[ Maio 2009

[ Abril 2009

[ Março 2009

[ Fevereiro 2009

[ Janeiro 2009

[ Dezembro 2008

[ Novembro 2008

[ Outubro 2008

[ Setembro 2008

[ Agosto 2008

[ Julho 2008

[ Junho 2008

[ Maio 2008

[ Abril 2008

[ Março 2008

[ Fevereiro 2008

[ Janeiro 2008

[ Dezembro 2007

[ Novembro 2007

[ Outubro 2007

[ Setembro 2007

[ Agosto 2007

[ Julho 2007

[ Junho 2007

[ Maio 2007

[ Abril 2007

[ Março 2007

[ Fevereiro 2007

[ tags

[ todas as tags

[ visitas

Terça-feira, 22 de Abril de 2008

estou disponível

Na quinta-feira passada saiu na revista Visão uma entrevista a um senhor do PSD na qual, consta, ele se manifestava 'disponível' para liderar o PSD. Hoje já não está, mas não é isso que me interessa aqui. Não me interessa o PSD, apenas o facto de o senhor se manifestar 'disponível'.

Nenhuma outra publicação deu a mesma notícia. Na sexta-feira também não. Esperei passar o fim-de-semana para ver as manchetes de outros jornais, mas nada. Só a Visão descobriu que o senhor estava disponível.

Descobriu? Ou foi-lhe dito? Se descobriu então é um grande furo porque o conseguiu antes de mais ninguém. Mas não acredito. A Visão é uma revista, não é uma televisão, uma rádio ou uma agência de notícias que lance as notícias logo que as sabe. O que o senhor disse já era sabido pela revista. Aliás tiveram de o entrevistar primeiro, de o fotografar, de redigir o texto, eventualmente de lho enviar para concordância, de fazer a composição gráfica, de enviar para a gráfica para então na quinta-feira sair como novidade.

Não acredito que a Visão tenha descoberto. Acredito mais que o senhor tenha feito a Visão saber, imagine-se como, que estava disponível para dar uma entrevista na qual diria que estava 'disponível' para liderar o PSD. Ou então a Visão, sabendo-o crítico da liderança agora demissionária, tê-lo-à convidado a fazer a entrevista na qual ele acabou por se manifestar disponível.

Mas até quinta-feira o jogo não foi aberto, pelo que alguma coisa se combinou. A que preço? Quanto custa pedir para ser entrevistado? Quanto custa garantir que no dia X, que não é casual, sai determinado artigo com determinada informação? Isso tem um preço. Pode não ser dinheiro, pode ser uma dívida de favor, de mais tarde fornecer informações com o anonimato garantido, mas é um preço. Estes políticos prestam-se a estes negócios, e os meios de comunicação também. Para mim o senhor juntou-se a mais uns tantos que já usaram o mesmo esquema e está apresentado.

Quanto à Visão, louvo a mudança de atitude. Confesso que não a leio, e raramente a folheio, mas é louvável que havendo alguém que se tenha manifestado 'disponível' para ocupar determinado cargo político, a Visão tenha desta vez (e espero que em todas as outras em que não a folheei) respeitado a figura de quem se manifestou 'disponível', independentemente do cargo em causa. É que há uns anos atrás, quando o PS ainda não havia anunciado ninguém como candidato à Presidência da República, e antes de Sampaio se auto-anunciar, houve um senhor que se manifestou 'disponível' para ser candidato. Era o senhor Sottomayor Cardia, que até já faleceu. Na altura, para ilustrar essa disponibilidade, a Visão colocou na capa uma foto do senhor de roupão, desalinhado e desgrenhado, fazendo de toda a composição uma imagem jocosa de um acto nobre, ridicularizando-o e acabando ali com a história. Para mim parece-me que fez um acto político baixo, e não uma notícia, mas é a minha opinião apenas.

Ainda bem que a Visão já não faz coisas daquelas, mas daquela não me esqueço. Eu também estou disponível para ser chefe de gabinete de uma secretaria de Estado qualquer, desde que dê um bom ordenado. Não me querem entrevistar? Prometo já meia dúzia de fotocópias de documentos e uns e-mails extraviados por acaso, só para alimentar as notícias.

publicado por coisas minhas às 17:28
link do post | comentar | favorito
|

[ quem sou

[ pesquisar

 

[ Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

[ links